http://img710.imageshack.us/img710/7564/portalfutebolbyjoaolope.png
Do Céu... à Terra!
publicado por Ricardo "xu" a terça-feira, 23 de setembro de 2008

Foi um Dragão bem composto aquele que presenteou a equipa com o cântico inaugural de um tão desejado, mas não menos merecido, jogo da” Champions League”, por parte do FCP.

Apresentou-se o Porto, desde logo com o 4-3-3 que transitava da época passada, mas com maior mobilidade na frente de ataque e com a posição 6 às ordens de Fernando. Herança pesada para este último, mas o “miúdo” (apenas 21 anos!) foi, para mim, o melhor elemento em campo. Mas já lá irei. Antes quase de me ter sentado no meu lugar já o Porto vencia.. jogada rápida pela esquerda, Raul Meireles, passe magistral e Lisandro a facturar. Pouco tempo depois e também pela esquerda, rodriguez cruzou para um fulminante remate de “El Comandante” . Um dragão com chama, arrasador e fulminante este que iniciou a Champions.

Mas, com o passar dos minutos a chama diminui, a pressão Turca aumentou e o Fenerbahçe chegou ao golo! Justamente refira-se..

A partir daí e um pouco inexplicavelmente o Porto acusou uma pressão desnecessária e o empate não se registou por mero acaso. Acabado de entrar, Lino diminuiu o risco de ataques cardíacos no Dragão, pois, tal qual como eu, ao ritmo do relógio, os corações a cada segundo que passava batiam mais e mais! E não, não era de felicidade! Era de apreensão, receio, medo, e memórias recentes… E tudo isto era tão desnecessário!

Fernando foi um tampão, mais um defesa e mais um tractor de um Porto a necessitar de um jogador que se consiga moldar à equipa tal qual Paulo Assunção fez no passado. O melhor do Porto e do encontro, na minha opinião claro.

Em termos tácticos o Porto deu bem conta de si, com segurança defensiva, regularidade no meio campo e uma frente de ataque móvel, trabalhadora e aguerrida, se bem que estes adjectivos nem sempre tenham sido sinónimo de eficácia e bom futebol.

No domingo o FCP deslocou-se a Vila do Conde para defrontar o recem-promovido Rio Ave, apresentando apenas uma alteração no onze (infeliz por sinal!), com a troca de Benitez por Fucile.

E na primeira parte o FCP não entrou em campo.. Aquilo que tinha sido o aspecto mais positivo na 4ª-feira anterior (atitude e entrada à Dragão!!) ficou no Dragão! Equipa amorfa, sem vontade e com pouca entrega ao encontro salvo raras excepções e momentos de jogo. Perante um Rio Ave bem organizado defensivamente e com um Paiva inspirado o FCP não criou argumentos suficientes para marcar mais do que um golo.. e digo mais do que um, porque normalmente um penaltie é uma forte oportunidade para uma equipa “facturar” e houve um no encontro a favor do FCP que não foi assinalado. Dir-me-ão que isso não é desculpa para o tricampeão nacional não levar de vencido o Rio Ave.. Concordo! Parcialmente! Porque se é certo que o Porto não foi a equipa a que me habituou, com um futebol (apenas) razoavelmente bem jogado, a verdade é que existiu um penaltie a seu favor que não foi assinalado. E provavelmente seriam mais 2 pontos acrescentados à actual tabela..

As contas fazem-se no fim.. mas no fim também poucos se lembrarão destes 2 pontos perdidos ( poderei dizer “retirados” por Pedro Proença?!)não é?

Por falta de disponibilidade de tempo, não pude esta semana fazer um comentário mais profundo em termos tácticos e de opções por parte do Prof. Jesualdo Ferreira, mas nos próximos textos vou tentar fazê-lo.

Saudações desportistas,

Ricardo Rua

Etiquetas:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Blogger Martins, A. Comentou...
Concordo plenamente com a abordagem feita sobre o sistema táctico utilizado actualmente, o Porto tem jogado bem,apresenta consistência táctica e parte em vantagem em relação aos outros clubes da Liga Sagres, isto do meu ponto de visto.
No entanto, este últimojogo realmente não demonstrou ser o Porto que tantos portistas tem habituado, mas de lembrar que na época passada também houveram jogos assim,com falta de inspiração,mórbidos e sem soluções ofensivas, e foi aí que simples toques de magia do Quaresma se fizeram sentir e conseguiam resolver jogos, porque o papel preponderante do Quaresma na época passada foi mesmo esse,resolver jogos,empatados,lá aparecia o menino e sacava um coelho da cartola,agora fica a pergunta no ar,como ficou quando Jardel abandonou as antas,ou até mesmo quando Deco saiu,conseguirá o Porto lidar e nos momentos preponderantes vencer jogos sem que um ilustre jogador fulcral resolva?
23 de setembro de 2008 às 16:39  
Blogger El Kün Comentou...
Vamos la ver:

O Porto deu a primeira parte ao Rio Ave, e na segunda jogou muito bem! Remated ao poste, barra, panalties não assinalados etc etc...
Por muito que queremos que a nossa equipa ganhe temos que ser humildes e eu admito: " Podemos ser os campeões, mas estamos em 6º lugar, é certo que a equipa ainda está em renovaçao, mas como portista faz-me triste pensar que não ganhamos ao Rio Ave e ao Benfica e que não estamos a por velocidade nos jogos como o ano passado!"
Temos que apoiar mais e deixar de coisas!
Desculpa Porto!
23 de setembro de 2008 às 23:14