http://img710.imageshack.us/img710/7564/portalfutebolbyjoaolope.png
O meu 10º bloco de notas
publicado por David Pereira a sexta-feira, 27 de março de 2009

Aguentei até ao dia de hoje para falar publicamente sobre o jogo do último sábado, esperei por reacções, por medidas e à medida que o tempo passava, maior vergonha isto me parecia.


Num jogo com algumas falhas menores e talvez de pouca importância cometidas pelo árbitro, no minuto 73 aconteceu o que todos sabem, penalty a favor do Benfica por “peito à bola” de Pedro Silva.
Lucílio Baptista não hesitou em marcar grande penalidade e olhando para os critérios que dispunha aí é que tudo se tornou mais vergonhoso.
Teria a bola batido no braço de Pedro Silva? Não. Mas o árbitro entendeu que sim.
Ao bater no braço, teria sido casual ou teria sido de propósito? A bola nem sequer bateu no braço, todavia o árbitro ainda conseguiu ver “mão na bola” propositadamente, incrível!
Depois surge ainda a dúvida de ser dentro ou fora da área, bem, aí tenho algumas dúvidas mesmo vendo algumas repetições na TV mas Lucílio Baptista num ângulo ainda mais difícil que o meu aponta para a marca de grande penalidade sem qualquer dúvida.
Para agravar, o árbitro auxiliar mais perto do lance assim como todos os outros não garantiram nada ao juiz setubalense e mesmo assim este prossegue com a ideia.
Não se tratou de um só erro, foram de vários, é normal que se acuse o que se passou de roubo!




E não foi apenas um golo oferecido ao adversário, foi um jogador enviado para os balneários e o desânimo de uma equipa visivelmente triste e frustrada, que mais tarde, na marcação de grandes penalidades onde é exigida calma e confiança, viria a falhar.


Na conferência de imprensa a seguir ao jogo temos como sempre os beneficiados com o célebre argumento “ainda não vi o lance”, e quem diria, Carlos Martins, jogador com um temperamento nada famoso e que se farta de protestar com os árbitros a mostrar a sua humildade (?) e respeito (?) ao afirmar “se ele marcou é porque é penalty”. Sinceramente, vou estar muito atento aos jogos do Benfica para ver se tu, Carlos, respeitas assim tanto desse modo as decisões dos árbitros.
Do lado do Sporting, temos um Paulo Bento com uma frustração aceitável onde não poupou palavras àquilo que se passou.


No dia a seguir, ouvem-se os adeptos, do lado encarnado, uns dizem que até soube bem ganhar assim o troféu, outros desculpam-se dos erros de arbitragem de outras partidas, mas fazendo uma análise aos jogos onde se queixam, temos o seguinte cenário:

Vitória de Setúbal na Luz
– Falta marcada a favor do Vitória, mas depois quando estava tudo distraído o árbitro mandou seguir, o Benfica marca golo e o árbitro volta atrás na decisão assinalando de novo falta. Na minha opinião nem se pode falar em golo anulado.

Nacional na Luz – Mão eventualmente casual de David Luiz dentro da área dos madeirenses que desviou a trajectória da bola para um jogador do Benfica que rematou para a baliza.
Aqui, sendo casual ou não, ao menos existiu mão, ao contrário do jogo da final da Taça da Liga.

FC Porto no DragãoPenalty inexistente assinalado a favor dos campeões nacionais por suposta falta de Yebda sobre Lisandro. Aqui, pode não ter havido grande penalidade, mas ao menos houve um ligeiro contacto. Apesar de poucas, podem ter havido dúvidas. Na final da Taça da Liga não houve absolutamente nada…



Dias depois de terem conquistado a taça, a reacção do Benfica seguiu-se e foi vergonhosa, não ficaram calados e por intermédio do Porta-Voz João Gabriel ainda vieram acusar o Sporting de mau perder e falta de Fair-Play, estranho, muito estranho… o mesmo Benfica que protestou tanto no jogo com o Nacional, que segundo o relatório de Pedro Henriques alguns jogadores o insultaram, que até avançou para uma queixa-crime, tudo por algo extremamente duvidoso, quem diria que iria acusar o Sporting de tal maneira, em vez de talvez até mostrar alguma solidariedade.
Embora isso não fosse exigido porque se fosse ao contrário aconteceria o mesmo, a única falta de Fair-Play que houve foram os jogadores do Benfica exigirem e aceitarem a marcação de grande penalidade.


Para aumentar o escândalo, houve uma sanção disciplinar para quatro elementos do clube leonino (Pedro Silva, João Moutinho, Paulo Bento e Filipe Soares Franco), tudo por dizerem a verdade!
Um escândalo! Uma vergonha!


Quem ganho com tudo isto, para além do Benfica, foi mesmo a própria Taça da Liga. De um dia para o outro deixou de ser a “Taça das Batatas” para a taça mais falada da época, isto dá-lhe importância e para o ano os clubes vão-se esforçar mais nesta competição.




Enfim, é o que temos em Portugal!


PS: Comentem!

Etiquetas:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Blogger SP Comentou...
boa análise amigo. foi mesmo impressionante a forma como o penalti foi marcado.
27 de março de 2009 às 20:55  
Blogger Metallikaman Comentou...
"Nacional na Luz – Mão eventualmente casual de David Luiz dentro da área dos madeirenses que desviou a trajectória da bola para um jogador do Benfica que rematou para a baliza.
Aqui, sendo casual ou não, ao menos existiu mão, ao contrário do jogo da final da Taça da Liga."

Epa LOOOL


Já agora porque não falas do Rochemback, do Moutinho, do Derlei e do Polga, que deviam ter ido para a rua?
Antes de me acusares de falar só nosvossos jogadores digo também que o Reyes e o Luisão
1 de abril de 2009 às 01:06